Navigate / search

Bar 1001 utilidades (pérolas do interior do Brasil)

Você é capaz de identificar um cartaz que, digamos, é um pouco exótico demais para um boteco?

Nesse carnaval, tive a oportunidade de visitar o afamado Bar do Paraíba, em Vargem Alta, interior do ES, que, a propósito, foi tirada essa foto. Lá, eu conheci a lenda, o Paraíba, o proprietário desse estabelecimento que vende tudo o que você imaginar: de ratoeira a penico; de cinto a naftalina. Ah, também vende bebida alcoólica e o tradicional ovo rosa e linguiça preta, comumente chamada de chouriço. Bom, sobre o bar do Paraíba, em breve prepararei um post exclusivo sobre ele. No entanto o que vale agora é essa sucessão de cartazes na porta do bar, que é um pequeno aperitivo do que postaremos futuramente.

Post dedicado a Daniela Tabelini Altoé e Alexandre Marreco.

Motorista abusado

Então, essas fotos foram tiradas hoje, 20/05, na avenida Rio Branco, em Vitória-ES, e são uma mostra de quão altruísta e preocupado com os outros é o motorista capixaba. O sujeito, na maior cara de pau, estacionou o veículo em frente uma garagem que alertava que ao parar ali estaria sujeito a guincho, saiu do carro, atravessou a rua e foi fazer compras no comércio local. O resultado: ninguém entrava nem saía do prédio. Foi um buzinaço só, além do congestionamento. Sinceramente, não dá mais. Quem puder, leia a matéria que saiu na revista Vida Simples desse mês que aborda a questão do caos do trânsito brasileiro (leia a reportagem aqui). Segundo a publicação, maior que o problema de excesso de veículos nas ruas ou da falta de sinalização, é a MÁ-EDUCAÇÃO do motorista. E isso, muitas vezes, vem de berço. O cara é abusado mesmo (como o condutor do carro da foto), só pensa em si. Na boa: tá osso, desanimador a falta de civilidade e senso de coletividade do povo brasileiro. Dirigir é colocar a vida e os nervos em risco.
Enfim, foi mal pelo post em tom de desabafo e por fugir bastante da linha de humor.

obs: antes que comecem a me martelar por esse post, vale a observação de que também sou capixaba e apesar do trânsito louco, amo minha terra.

Quem é mesmo o deficiente?

deficiente

Vendo uma foto dessa é que eu me pergunto: quem é, de fato, o verdadeiro deficiente? Quem destinou a vaga com uma árvore? Ou quem amarrou a bicicleta na árvore avacalhando de vez e impedindo que um carro estacione ali?

Questões que nem Patrick Aioffi sabe responder.